Haverá uma nova precificação de ativos após a pandemia, diz BlackRock

Maior gestora de ativos do mundo dobra aposta na sustentabilidade e prevê novo comportamento empresarial como resultado da crise



A crise provocada pelo novo coronavírus expôs uma série de questões importantes para a humanidade. A falta de atendimento básico de saúde e a fragilidade de alguns territórios ficaram evidentes. A queda na poluição em função da quarentena revela o impacto ambiental da atividade econômica. “Tudo fica mais transparente em momentos de crise”, afirma Carlos Takahashi, presidente da gestora de ativos BlackRock no Brasil. 

Para as organizações, o momento é decisivo. Segundo Takahashi, passada a pandemia, a sociedade vai demandar mais responsabilidade e os padrões de atuação empresarial vão mudar. Como consequência, ele prevê uma nova precificação de ativos.  “Esse evento deixou muito claro a importância de se olhar para o longo prazo”, afirma o executivo. 

Maior gestora de ativos do mundo, com uma carteira de quase 7 trilhões de dólares, a BlackRock é uma das organizações mais ativas na disseminação do chamado capitalismo de stakeholder, modelo de gestão de empresas que coloca o impacto gerado pelas companhias à frente do lucro. Para os defensores desse novo capitalismo, o resultado financeiro é apenas a consequência de uma boa gestão e, para obtê-lo, as empresas devem atuar com base em um propósito, que é a sua razão de existir. 


Acesse matéria completa em: https://exame.com/mercados/havera-uma-nova-precificacao-de-ativos-apos-a-pandemia-diz-blackrock/

Por Rodrigo Caetano

Publicado em: 08/04/2020 às 13h30 - Alterado em: 09/04/2020 às 19h07